Bay and Cope

Uma das metas que listei para este ano foi conhecer novas bandas e artistas.E não é que o tal do Spotify com suas playlists foi uma das alternativas? Quando ouço alguma música no aplicativo que não conhecia e acabo gostando dou um Google básico para correr atrás do álbum que a música faz parte e acabo conhecendo o trabalho do artista.


Triste mesmo é quando a música que você acaba ouvindo é muito boa e todo o resto do trabalho da banda é ruim. Isso acontece, e muito viu? Ultimamente tenho a impressão que 99% das bandas fazem álbuns apenas para divulgar o ''nome'' dos envolvidos, não o trabalho em si.
O que tem de CD com apenas duas ou três faixas boas é assustador! Por isso digo que quando o álbum todo é bom vale a pena comprar o CD físico, o cara merece reconhecimento.
Bom mas isso ai já é outra história...


Nestes passeios por várias playlists descobri dois caras incríveis: James Bay e Citizen Cope.


James Bay
Ouvia Michael Jackson e Bruce Springsteen quando era criança e planeava estudar arte, mas não conseguiu resistir a música. James lançou os EPs: The Dark of The Morning em 2013, Let It Go no ano passado e Hold Back the River  que foi lançado neste ano.
O seu rock emotivo com travo a folk já lhe rendeu a aclamação da critica e dos fãs e até de Taylor SwiftChaos and the Calm, o primeiro álbum de James Bay foi lançado neste mês e está incrível!
{CD completo: aqui ô!}

A RedBull fez uma entrevista super legal com o James: vem cá!

Citizen Cope
Foi inicialmente DJ para a banda de hip hop de Washington D.C. chamada Basehead.
Em 2004 ele lançou The Clarence Greenwood Recordings, o qual ele também produziu.
O álbum de 2004 foi seguido por Every Waking Moment, em 2006 (também produzido por ele), que estreou em #69 na lista da Billboard 200.
Em 2010, Cope decidiu fundar seu próprio selo, a Rainwater Recordings, dando-se maior liberdade criativa. A música Let the Drummer Kick de seu álbum Citizen Cope de 2002 foi classificado pela R.I.A.A. como Disco de Ouro.
Citizen Cope lançou seu último álbum, One Lovely Day em Julho de 2012.

"...Cope mistura hip-hop com folk, soul e blues... e 'sente' esta combinação profundamente... os acordes e harmonias incomuns de Cope são combinados à uma delicada dissonâncias com flashes inesperados de beleza...". -Rolling Stone





Infelizmente o Grooveshark não tem boa parte do trabalho desses dois :( vale muito a pesquisa!

Com amor, 



Comente com o Facebook:

Postar um comentário